Setor Farmacêutico: desafios cibernéticos e estratégias de defesa

O setor farmacêutico desempenha um papel fundamental na sociedade, fornecendo medicamentos e tratamentos que promovem a saúde e o bem-estar da população. No entanto, à medida que a indústria farmacêutica se torna cada vez mais digitalizada e dependente da tecnologia, surgem desafios cibernéticos significativos que exigem uma atenção especial. Neste artigo, vamos analisar os principais desafios cibernéticos enfrentados pelo setor farmacêutico e explorar estratégias de defesa eficazes para proteger as informações sensíveis e a infraestrutura crítica.


Impactos da pandemia da Covid-19 na segurança cibernética do setor farmacêutico

A pandemia da Covid-19 trouxe consigo uma aceleração da digitalização em vários setores, incluindo o setor farmacêutico. Com o distanciamento social e as restrições impostas para conter a propagação do vírus, as empresas farmacêuticas tiveram que adotar rapidamente soluções tecnológicas para continuar suas operações e garantir o acesso dos pacientes a medicamentos essenciais. No entanto, essa rápida transição para o ambiente digital também abriu espaço para um aumento significativo nos riscos de segurança cibernética.

Cibercriminosos perceberam a oportunidade oferecida pela pandemia e passaram a explorar as vulnerabilidades presentes no setor farmacêutico. Eles aproveitaram o contexto de incerteza e demanda urgente por informações relacionadas à Covid-19 para realizar atividades de espionagem e obter ganhos financeiros ilícitos. Várias táticas foram empregadas para explorar as fragilidades do setor e comprometer a segurança cibernética das empresas.

Um exemplo de ataque cibernético direcionado ao setor farmacêutico durante a pandemia foi o aumento de campanhas de phishing. De acordo com a Interpol, durante os primeiros meses de 2020, foram registrados quase 907.000 casos de spams, 737 incidentes relacionados a malware e 48.000 links perigosos, todos relacionados ao coronavírus. Cibercriminosos assumiram identidade de organizações de saúde e agências governamentais, enviando e-mails falsos com informações sobre a Covid-19, como atualizações sobre a vacinação ou recomendações de prevenção. Esses e-mails continham links maliciosos ou anexos infectados, que, quando clicados ou baixados, permitiam a instalação de malware nos sistemas das empresas farmacêuticas. Com acesso não autorizado, os criminosos podiam roubar informações confidenciais, como dados de pesquisa e desenvolvimento de medicamentos.

Além disso, ocorreram casos de ataques de ransomware direcionados a empresas farmacêuticas. Os cibercriminosos exploraram as vulnerabilidades dos sistemas de tecnologia da informação, bloquearam o acesso aos dados e exigiram resgates para restaurar o acesso. Esses ataques prejudicaram a capacidade das empresas de operar normalmente, interrompendo a produção e a distribuição de medicamentos essenciais.

Outro exemplo foi o aumento dos ataques de engenharia social. Os cibercriminosos se passaram por funcionários, parceiros comerciais ou autoridades de saúde para obter informações confidenciais por meio de técnicas de manipulação psicológica. Eles aproveitaram o contexto de trabalho remoto e a necessidade de comunicação virtual para enganar funcionários e obter acesso a sistemas protegidos.


Desafios Cibernéticos no Setor Farmacêutico

Com o avanço crescente da digitalização e interconectividade, agravado pelos impactos da pandemia de COVID-19, o setor farmacêutico emergiu como um alvo altamente atrativo para os cibercriminosos. Nesse contexto, destacam-se diversos desafios cibernéticos de extrema relevância, tais como:

1. Roubo de informações sigilosas: O setor farmacêutico lida com uma quantidade significativa de dados confidenciais, como pesquisas clínicas, dados de pacientes e propriedade intelectual. O roubo dessas informações pode ter sérias consequências, incluindo interrupção da pesquisa e desenvolvimento de medicamentos, perda de propriedade intelectual e exposição de dados pessoais dos pacientes.

2. Ataques de ransomware: Os ataques de ransomware têm se tornado mais frequentes e impactantes. Os cibercriminosos bloqueiam o acesso aos sistemas das empresas farmacêuticas e exigem um resgate para restaurar o acesso. Esses ataques podem interromper a produção e distribuição de medicamentos essenciais, comprometendo a saúde pública.

3. Interrupção das operações: A dependência de sistemas digitais e a conectividade entre diferentes plataformas aumentam o risco de interrupções nas operações farmacêuticas. Ataques cibernéticos que visam sabotar ou interromper as atividades podem causar sérios danos à indústria e prejudicar a oferta de medicamentos aos pacientes.

4. Pirataria de medicamentos: A propriedade intelectual no setor farmacêutico está sujeita a riscos cibernéticos. Os cibercriminosos podem obter acesso não autorizado a informações sobre fórmulas e processos de fabricação, possibilitando a produção e venda de medicamentos falsificados. Isso coloca em risco a saúde dos pacientes e prejudica a reputação das empresas farmacêuticas.


Estratégias de Defesa Cibernética

A fim de proteger-se dos desafios cibernéticos, é fundamental que as empresas do setor farmacêutico implementem estratégias de defesa altamente eficazes. A seguir, apresentam-se algumas abordagens cruciais a serem consideradas:

1. Implementação de medidas de segurança robustas: É essencial implementar medidas de segurança cibernética robustas para proteger as informações confidenciais. Isso inclui o uso de criptografia para proteger dados sensíveis, a implementação de autenticação de dois fatores para fortalecer o controle de acesso e a realização de auditorias regulares de segurança para identificar e corrigir vulnerabilidades de segurança. Além disso, as empresas devem manter seus sistemas e software atualizados, aplicando patches de segurança e corrigindo quaisquer vulnerabilidades conhecidas.

2. Conscientização e treinamento dos funcionários: Os funcionários desempenham um papel crucial na segurança cibernética. As empresas farmacêuticas devem fornecer treinamento regular sobre práticas de segurança cibernética, enfatizando a importância de evitar clicar em links suspeitos, proteger senhas e relatar qualquer atividade suspeita. A conscientização dos funcionários pode ajudar a reduzir o risco de ataques de phishing e outras ameaças baseadas em engenharia social.

3. Monitoramento proativo e resposta a incidentes: As empresas devem implementar sistemas de monitoramento proativo para detectar e responder rapidamente a atividades suspeitas ou tentativas de intrusão. Isso pode envolver o uso de sistemas de detecção de intrusões, análise de comportamento de usuários e monitoramento de registros de eventos de segurança. Ter um plano de resposta a incidentes bem definido também é crucial para minimizar o impacto de ataques cibernéticos e restaurar a normalidade o mais rápido possível.

4. Parcerias e compartilhamento de informações: A colaboração entre as empresas farmacêuticas, agências governamentais, organizações de saúde e especialistas em segurança cibernética é essencial para enfrentar os desafios cibernéticos. Estabelecer parcerias e participar de iniciativas de compartilhamento de informações sobre ameaças cibernéticas pode fornecer insights valiosos e ajudar na prevenção de ataques.

5. Avaliação e auditoria de terceiros: Muitas empresas farmacêuticas trabalham com parceiros terceirizados, como fornecedores de serviços de tecnologia ou empresas de pesquisa. É importante realizar uma avaliação rigorosa da segurança cibernética desses terceiros e garantir que eles adotem medidas adequadas de proteção de dados. Além disso, realizar auditorias regulares para garantir a conformidade com os padrões de segurança é essencial para minimizar os riscos associados a terceiros.

6. Resiliência e backup de dados: Investir em estratégias de resiliência e backup de dados é fundamental para mitigar os impactos de ataques cibernéticos. As empresas farmacêuticas devem implementar sistemas de backup robustos e testá-los regularmente para garantir a recuperação eficaz de dados em caso de violação de segurança ou perda de dados.


Em suma, o setor farmacêutico enfrenta desafios cibernéticos crescentes à medida que abraça a digitalização e a conectividade. Para enfrentar esses desafios, é importante que as empresas adotem estratégias de defesa cibernética eficazes, como a implementação de medidas de segurança bem estruturadas, o treinamento e conscientização dos funcionários, o monitoramento proativo, parcerias estratégicas, auditoria de terceiros e estratégias de resiliência e backup de dados. Ao fortalecer os pilares da segurança cibernética, o setor farmacêutico pode proteger suas informações confidenciais, garantir a continuidade das operações e preservar a confiança dos pacientes. A superação desses desafios cibernéticos é fundamental para manter a saúde pública e o bem-estar da sociedade como um todo.

Share post

Contact us

News about cybersecurity and data protection

A LGPD e o impacto nas pequenas empresas

As pequenas e médias empresas não estão isentas da conformidade com a LGPD. A Lei se aplica sempre que uma empresa coleta dados pessoais de um cidadão brasileir
Cybersecurity

Gestão de Incidentes de Segurança Cibernética

A segurança cibernética tornou-se uma prioridade incontestável nas empresas modernas, à medida que a complexidade das ameaças digitais continua a evoluir. Nesse contexto, a habilidade

en_GB